SEJAM BEM-VINDOS!

Este é um blog educativo. Minha intenção é postar meus projetos de literatura infantil, em verso e prosa, para ajudar pais e professores na educação de nossas crianças.

Todos os textos aqui publicados são de minha autoria e estão devidamente registrados no EDA da Biblioteca Nacional.

RESPEITEM OS DIREITOS AUTORAIS!

Já possuo um livro publicado com o Patrocínio da Prefeitura de Juiz de Fora, intitulado "Os Sonhos da Favela", e é um paradidático pré-adolescente que aborda temas como violência, drogas, gravidez adolescente, oportunidades e decisões.

O livro já foi trabalhado com grande sucesso pelas escolas da região, principalmente, pelas escolas públicas, onde a realidade das crianças é muito parecida com a do personagem que mora em uma comunidade no Rio de Janeiro e tem que driblar, de todas as formas, a pobreza e a falta de oportunidades para realizar o sonho de ser médico e cuidar da população carente da favela. Será que ele consegue?

Só lendo o livro para saber a resposta....

Quem sabe não encontro algum editor que queira investir em meu trabalho?

Saudações literárias,

Vera Ribeiro Guedes.


OS SONHOS DA FAVELA

OS SONHOS DA FAVELA
Trabalho realizado por alunos do Colégio Municipal Cecília Meireles - Juiz de Fora - MG, para apresentação do livro.

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

INDEPENDÊNCIA DO BRASIL


ÀS MARGENS DO IPIRANGA,
UM GRITO ECOOU,
ENSURDECEU O POVO,
O NOSSO IMPERADOR.

MONTADO EM SEU CAVALO,
COM A ESPADA EMPUNHADA,
D. PEDRO TORNOU-SE UM BRAVO,
LIBERTANDO NOSSA PÁTRIA.

INDEPENDÊNCIA OU MORTE!
CORAJOSA DECISÃO,
QUE MUDOU A NOSSA SORTE,
DE COLÔNIA À NAÇÃO.

SALVE 7 DE SETEMBRO!
NOSSO POVO VARONIL,
NESTA DATA COMEMORA,
A INDEPENDÊNCIA DO BRASIL.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

E-BOOK OS SONHOS DA FAVELA

OS SONHOS DA FAVELA digital no link 
http://www.livrariasaraiva.com.br/produto/7830005

quarta-feira, 21 de maio de 2014

TRAVA LÍNGUA 3

                                                     Imagem: http://artecarlaprates.com.br/

QUEBRARAM TRÊS PRATOS DA PRATELEIRA;
A PRATELEIRA TINHA TRÊS PRATOS;
SE TRÊS PRATOS DA PRATELEIRA QUEBRARAM,
A PRATELEIRA FICOU SEM PRATO.

TRAVA LÍNGUA 2


CANTO O CANTO DA COTOVIA,
A COTOVIA CANTA O CANTO QUE CANTO.
SE O CANTO DA COTOVIA CANTO,
CANTO O CANTO QUE A COTOVIA CANTA.

TRAVA LÍNGUA


COMO UM PRATO DE COCADA DE COCO,
COMO COCADA DE COCO NO PRATO.
SE TEM PRATO COM COCADA DE COCO,
TEM COCADA DE COCO NO PRATO.

segunda-feira, 19 de maio de 2014

CUIDANDO DA SAÚDE



SOU ESPERTO E INTELIGENTE;
DO MEU CORPO, CUIDO CONTENTE;
LAVO AS MÃOS E ESCOVO OS DENTES;
NÃO QUERO FICAR DOENTE.

AS FRUTAS QUE COMO COM CASCA,
SÃO SEMPRE BEM LAVADAS..
ASSIM COMO A VERDURA FRESQUINHA,
QUE DEVE SER BEM LIMPINHA.

A ÁGUA, FONTE DE VIDA,
DEVE SER BEM TRATADA.
PARA BEBER, UMA DICA,
SÓ FERVIDA OU FILTRADA.

OS DOCES EU DEIXO DE LADO;
O REFRIGERANTE TAMBÉM.
MEU CORPO MERECE CUIDADO,
COM ALIMENTOS QUE FAZEM BEM.

MAS, O FIM DA SEMANA EU ESPERO,
DEIXO A SALADA E VOU PARA A PIZZA;
BOLO DE CHOCOLATE É UMA DELÍCIA.
AFINAL, NÃO SOU DE FERRO...

SER CRIANÇA



NESSE PARQUE ENCANTADO,
DE BRINQUEDOS COLORIDOS,
CARROSSEL ILUMINADO,
ROSTOS CHEIOS DE SORRISOS.

TEM NUVEM DE ALGODÃO-DOCE
TEM PIPOCA COLORIDA,
E UM DELICIOSO SORVETE,
ADOÇANDO A NOSSA VIDA.

TEM PALHAÇOS, BAILARINAS,
PRINCESAS E SUPER-HERÓIS;
GRANDES MÁGICOS, EQUILIBRISTAS,
ENROLADOS EM NOSSOS LENÇÓIS.

NESSE MUNDO DE FAZ DE CONTA,
ONDE TODA CRIANÇA HABITA,
HÁ SEMPRE A IMAGEM SANTA,
DO ADULTO EM QUEM CONFIA.

SER CRIANÇA É FANTASIA,
ETERNO MUNDO DE SONHOS,
UMA SUAVE MELODIA,
ENTOADA PELOS ANJOS.

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

TRABALHO REALIZADO PELAS PROFESSORAS DA E.M.PEDACINHO DO CÉU (RS) A PARTIR DO POEMA A LAGARTA E A BORBOLETA. PUBLICADO PELA SEMEC - IVOTI - RS

Maternal 3A estudando as lagartas e borboletas [E. M. E. I. PEDACINHO DO CÉU]

Temos conhecimento de que é...
[...] importante para a formação de qualquer criança ouvir muitas, muitas histórias... Escutá-las é o início da aprendizagem para ser um leitor, e ser leitor é ter um caminho absolutamente infinito de descoberta e compreensão do mundo.[...] (ABRAMOVICH, 2001, p.16-17)
A partir deste pensamento, criamos o projeto Ouvindo e contando histórias. Entrando no mundo do faz de conta..., cujo objetivo é proporcionar às crianças momentos significativos e de aprendizagem através de contos e histórias que desconhecem, explorando diferentes materiais, capacidades, técnicas, habilidades e potencialidades...
...Posteriormente iniciamos a confecção e ilustração de um livro individual, a partir da poesia A lagarta e a borboleta, de Vera Ribeiro Guedes. As ilustrações foram realizadas com diversos materiais, como: EVA, papel crepom, cartolina, cola colorida, glíter, palito de picolé, giz de cera e massa de modelar.
Estamos nos divertindo muito com estas atividades. Até mais!

Professoras: Dieiza Rösner e Jaqueline Prass


LINDO!!! PARABÉNS AOS PROFESSORES E AS CRIANÇAS. FIQUEI MUITO FELIZ!

domingo, 24 de novembro de 2013

NATAL

IMAGEM: www.culturamix.com 

É NATAL!
UM MENINO NASCEU POBRE,
PARA DEMONSTRAR AO MUNDO,
QUE MUITO MAIOR QUE SER NOBRE,
É TER UM AMOR PROFUNDO...

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

O SÍTIO DA VOVÓ DE A a Z


TEM, NO SÍTIO DA VÓ PETITA,
ARARAS AZUIS A VOAR;
BANANA DA TERRA E NANICA;
CARAMBOLA,CAJU E CAJÁ.

DOCE DE PAÇOQUINHA;
ESPIGAS NO MILHARAL;
FOGÃO DE LENHA NA COZINHA;
GALINHA CISCANDO NO QUINTAL.

HORTA BEM VERDINHA;
INHAME PARA COZINHAR;
JABUTICABA PRETINHA;
KIWI LÁ NO POMAR.

LIMONADA GELADINHA;
MARRECOS NO LAGO A NADAR;
NASCENTE DO RIACHINHO;
QUINTAL PRA GENTE BRINCAR.

ROUPA SECANDO NO VARAL;
SOPA QUENTE NO JANTAR;
TOTÓ DEITADO NO PORTAL;
UIVANDO PRA NÃO LADRAR.

VAGA-LUME A NOITE ANUNCIANDO;
WAFER, NA MESA, ACOMPANHANDO,
XÍCARA DE LEITE QUENTINHO;
YGOR, NA CAMA, SONHANDO,
ZANGANDO COM UM MOSQUITINHO.

NO SÍTIO DA VÓ PETITA,
TUDO PODE ACONTECER;
ATÉ AS LETRAS DO ALFABETO,
VOCÊ PODE APRENDER.

quinta-feira, 4 de julho de 2013

ARCO-ÍRIS


DE ONDE VEM O ARCO-ÍRIS?
ISSO EU NÃO SEI NÃO,
MAS, QUANDO O SOL E A CHUVA
APARECEM JUNTOS,
LÁ ESTÁ ELE, LINDO COMO SEMPRE.
PARECE QUE FADAS O PINTAM...
SERÁ ILUSÃO? OU VEM DO CORAÇÃO?

QUANDO O ARCO-ÍRIS APARECE,
BORBOLETAS AJUDAM A ENFEITAR O CÉU.
PARECE PINTURA DE ARTISTA,
FOTOGRAFIA DE REVISTA,
DEDO DE DEUS.

DE UMA COISA EU TENHO CERTEZA
E NINGUÉM PODE NEGAR,
O ARCO-ÍRIS É LINDO, DE ARRASAR.

PARECE UMA NOVA VIDA
QUE INICIA BEM FELIZ,
E MAIS FELIZ SERIA,
SE O ARCO-ÍRIS APARECESSE TODO DIA,
SÓ PARA NOS ALEGRAR.

AUTORA: JULIANA RIBEIRO GUEDES
MINHA FILHA DE 11 ANOS
FILHA DE PEIXE...

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

A ESTRELA DO NATAL


IMAGEM: http://www.walldesk.com.br
             
              Há muitos anos atrás... Em uma cidadezinha chamada Belém... Em noite sem lua... Quatro estrelas teimavam em reinar no céu.
            Haviam ouvido dizer que nasceria um Menino-Deus, que traria a Salvação para o mundo; e que, uma estrela muito brilhante guiaria o povo até o lugar de Seu nascimento.
            Das quatro, três brigavam entre si, para saber qual delas teria essa honra e então, sua história haveria de ser contada por todos, quando falassem no nascimento do Menino e essa estrela ficaria famosa.
            Uma delas disse:
            - Eu serei a estrela escolhida porque sou a maior de todas; porém, enquanto falava e revirava suas pontas, não viu que lá em baixo, um casal humilde atravessava o deserto.
            A segunda estrela viu o casal, mas não deu importância e falou:
            - Eu sou a mais brilhante e por isso serei a escolhida, e enquanto falava pensava: “Não vou desperdiçar meu brilho com um casal de mendigos”.
            A terceira estrela, nem grande, nem pequena, também não muito brilhante, porém muito imponente retrucou:
            - Lá em baixo seguem os pastores, vagando na escuridão, mas eu só vou iluminar o Menino importante, guardarei meu brilho para Ele, pois serei a escolhida.

            Enquanto isso, em um cantinho do céu, uma estrelinha muito pequena, não conseguia ouvir o que as suas amigas falavam, porque estava muito ocupada tentando iluminar, sozinha, o caminho do pobre casal e dos pastores que por ali passavam.
            Ela também gostaria de ser a estrela escolhida, mas não tinha essa pretensão. Era a menor dentre as estrelas do céu, por isso, contentava-se em ajudar os peregrinos, iluminando com seu pequeno brilho o caminho dos desconhecidos.
            Foi quando, neste instante, três reis cruzaram o caminho e a única estrela que conseguiram enxergar era a pequena e solitária estrelinha, e, decidiram segui-la
            Quando percebeu que seu pequeno brilho estava sendo de grande valia para aquelas pessoas pobres ou ricas, a estrelinha encheu-se de alegria e começou a inflar... inflar... inflar... até que explodiu em grandes e luminosos raios que cobriram todo o céu, até apontar para uma pequena manjedoura, onde aquele pobre casal que ela iluminou, deitava coberto em panos o seu Menino, rodeado pelos pastores que por ali também passaram.
            Os reis conseguiram chegar até o Menino-Deus e a pequena estrela, a menor dentre todas, tornou-se grandiosa e, seu brilho foi reconhecido por toda a humanidade como sendo “A Estrela do Natal”.
            Quanto às outras, que só se preocuparam com suas vaidades, continuaram no anonimato.

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

PRÉ-ADOLESCÊNCIA

O meu mundo de alegria,
De sonhos e fantasia,
Está se transformando...
Deixei de ser pequenino,
Não sou mais o mesmo menino,
Meu corpo está se modificando.

Estou mais alto, estou mais magro,
Tenho pelos no sovaco,
Espinhas a me incomodar.
As meninas estão mais bonitas,
Deixaram os laços de fita,
Comecei a reparar.

Os brinquedos, eu deixei de lado;
Não estou mais interessado,
No “Patati-Patatá”.
Gosto mesmo é de vídeo game
E, de navegar na rede;
Mãe! Compra-me um celular?

Meu mundo está no meu quarto;
Lá, encontro o meu espaço,
Entre livros e DVDs.
Está meio bagunçado,
É quase o meu retrato;
Estou aprendendo a crescer!

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

É A CARA DO PEDRO!


Esse é o Pedro!
Menino negro,
Lindos olhos,
Cabelos crespos.

Orgulho de seus pais,
Também de seus avós
E, de seus bisavós;
Que chegaram ao Brasil,
Há algum tempo atrás.

Vieram de um lugar distante,
Mas, não eram viajantes.
Foram escravizados;
Seu povo foi maltratado.

Pedro é descendente,
Deste povo trabalhador.
Tem orgulho de sua gente,
Hoje é um vencedor.

Guerreiro e estudioso,
Da turma o mais querido,
Pois, é amigo de todos,
Das meninas, o preferido.

Hoje Pedro não veio à escola;
O que será que aconteceu?
Deve ter “matado aula”,
Ou será que adoeceu?

A sala está esquisita,
Com a ausência do amigo.
Sua carteira está vazia,
Falta o seu sorriso.

Depois da aula, o tumulto.
Todos vão à casa de Pedro;
Que chegou faz um minuto,
Lá do sítio do Alfredo.

- “Calma turma!” – disse ele.
Com seu alvo sorriso.
- “Estou bem! Só faltei a aula
para ajudar o meu amigo.”

“Que alívio!” – Suspirou a turma.
É bem a cara do Pedro.
Socorrer quem necessita,
Ajudar a quem precisa.

NÃO QUERO BOLSA DE JACARÉ














Qual é!
Quem quer bolsa de jacaré?

Olha lá o jacaré!
Que dentes afiados,
Vou dar no pé!
Não quero ser triturado.

Deixe de besteira,
Jacaré não dá bobeira,
É só não perturbar.
Deixa ele descansar!

Jacaré do papo amarelo,
Jacaré do Pantanal,
Estão desaparecendo,
Isso não é legal!

Não quero bolsa de jacaré,
Nem sapato no meu pé.
Quero manter a natureza,
Com toda a sua beleza.

Venham comigo criançada,
Aqui não tem caçada,
Nem caça, nem caçador.
Somente muito amor.

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

MENSAGEM PARA O DIA DOS PAIS

Pai,

A exemplo de São José, que cuidou do Menino Jesus, você cuida de mim.
Seu carinho e seu amor me dão a segurança que preciso para continuar a caminhar.
Nos momentos difíceis, você me protege e me consola.
Nos momentos felizes, você sorri com as minhas vitórias.
Você é o meu exemplo!
Por tudo isso, digo que te amo e peço a Deus que te faça muito feliz, sempre.
Obrigado meu PAI!

terça-feira, 5 de junho de 2012

ONÇA PINTADA

SOU A ONÇA PINTADA!
DE PINTAS GRANDES
E PATAS LARGAS.
A MATA ATLÂNTICA É MINHA CASA.
NÃO QUERO VIVER ENJAULADA!

SOU FELINA. SOU PERIGOSA,
SOMENTE QUANDO ME ASSUSTO.
EM MEU HABITAT, SOU RAINHA.
DEFENDO MEUS FILHOTES COMO UM URSO.

CRESÇO, APAREÇO E SUMO.
NA MATA, NINGUÉM ME ACHA.
PROCURO SEMPRE, UM LUGAR SEGURO,
LONGE DO CAÇADOR E SUA ARMA.

SOU PARTE DA NATUREZA,
NELA, TENHO PODER.
SE VOCÊ É AMIGO DA BELEZA,
TERÁ QUE ME DEFENDER!

segunda-feira, 16 de abril de 2012

ADOLESCÊNCIA

Pobre pássaro sem asas,
Aprisionado em sua gaiola,
Triste melodia cantarola.

Ninguém ouve, ninguém vê,
Ninguém, dele, se compadece,
E, todo dia, ao entardecer,
Eleva aos Céus, a sua prece:

Oh Senhor, Dá-me asas!
Deixe-me alcançar o infinito.
De volta aos céus, minha casa,
Ouvirás meu canto mais bonito.

Deixe-me alçar vôo, de verdade,
Encontrar meu caminho de vitória,
Sempre almejei a liberdade,
Por favor, conceda-me agora.


E como milagre, a portinhola se abriu,
E o pássaro por ela partiu,
Em seu vôo tão desejado.

E quando o céu, ele alcançou,
Um estilingue o derrubou,
Caiu em cima de um telhado.

E moribundo está agora,
Lembrando de sua gaiola,
Não deveria tê-la deixado.

Pois, ainda não era a hora,
De partir, para alcançar a vitória,
Não estava preparado.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

CADA PEIXE EM SEU AQUÁRIO

MEU BARQUINHO DE PAPEL,
DESCE O RIO DEVAGAR.
QUE EU VOU DE CARONA
OLHANDO OS PEIXINHOS...

UM É AZUL, OUTRO É VERMELHO.
TODOS COM MUITAS CORES.
COMO CONSEGUEM RESPIRAR?
IMAGEM: meupapeldeparedegratis.net
DE REPENTE...
UM DELES PULOU DENTRO DO BARCO
E EU PENSEI QUE O PEIXINHO IA MORRER,
MAS, ELE DISSE QUE QUERIA ME VER
                                                                   
PARA SABER COMO É SER CRIANÇA,
E PODER RESPIRAR FORA D’ÁGUA.
EU ACHEI ENGRAÇADO...

PORQUE FIZ O BARQUINHO,
DESCER O RIO, ATRÁS DO PEIXINHO.
PARA PERGUNTAR A ELE,
COMO RESPIRAR DENTRO D’ÁGUA.

EU QUERIA SABER NADAR,
MAS NÃO CONSEGUIA RESPIRAR.
A MINHA DÚVIDA ERA TAMBÉM A DELE.
CADA UM NO SEU LUGAR.
EU NA TERRA INDO PARA O RIO,
E ELE DO RIO A ME OLHAR.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

sábado, 12 de novembro de 2011

Projeto Ler faz Crescer

Contação de estórias, cineclube e
 distribuição de livros infantis!  -  29/10/2011

Centro Cultural de Benfica (CCB)
 recebeu o projeto "Ler faz Crescer"
 no dia 29 de outubro, animando a
 tarde de várias crianças que
 ouviram estórias contadas pela
 escritora Vera Guedes, assistiram
 ao filme Rei Leão 3 exibido no
 cineclube do teatro e receberam
 ao final do evento, kit com livros
 infantis como forma de incentivo
 à leitura.
 A jornalista Denise Zaghetto,
 responsável pelo projeto, que
 esteve no Centro Cultural de Benfica pela primeira vez,
 se mostrou muito satisfeita com o trabalho realizado
 no espaço e pretende voltar mais vezes apresentando
 outros eventos.

A equipe do Jornal da TVE de Juiz de Fora também
 esteve presente registrando o acontecimento. Breve
 postaremos link do vídeo
 com matéria que foi ao ar no dia 31/10.

Denise Zaghetto e Vera Ribeiro

sábado, 29 de outubro de 2011

Entrevista para o MGTV 25 de outubro 2011

Profissão S.A. – Cresce o mercado de Economia Criativa no Brasil

Publicado em 25/10/2011 às 10:15
Por MGTV Panorama
de Juiz de Fora

Potencial do ramo é tão grande que já é possível ganhar dinheiro exclusivamente por meio da arte

O trabalho cultural, artístico e intelectual, ganha cada vez mais espaço no mercado e movimenta a economia do país. Já é possível ganhar dinheiro exclusivamente por meio da arte, criatividade e imaginação. E o potencial do ramo é tão grande que foi implementada, em janeiro deste ano, a Secretaria da Economia Criativa sob o comando do Ministério da Cultura.

Interpretar é um ofício que exige certo tempo de prática. Agora, ensinar as técnicas do teatro tem um retorno mais imediato. Em Juiz de Fora, o diretor de teatro Trajano Amaral e a atriz Natália Possas fazem parte de um grupo que desde abril dá oficinas de formação artística para turmas de várias idades. Em pouco tempo, o número de alunos já chega a 70. Pouco investimento somado ao interesse dos aprendizes é bom negócio na certa. Na aula para crianças a partir de oito anos, Sofia Molino, de dez, se diverte interpretando vários personagens com os colegas.

Eles fazem parte do setor de economia criativa, que cresce no país. Gente que ganha dinheiro apostando na gestão ou produção de serviços desenvolvidos a partir do conhecimento, da criatividade e cultura.

Seja nos palcos, ou nas letras, as micro e pequenas empresas do setor e os empreendedores individuais chegam a ganhar até R$60 mil por ano. E empregam também: segundo o Ministério da Cultura, quase quatro milhões de pessoas trabalham em algum setor dessa economia criativa.

A advogada Vera Guedes há 30 anos começou a escrever poesias para crianças. Hoje, com oito participações em coletâneas e livros didáticos, um blog na internet e um livro independente, ela pensa em viver apenas de literatura. Um de seus poemas circula pela internet e já foi usado em escolas. A autora não cobrou por isso, diz que publicar mil exemplares custa em média R$7 mil e com outros nove projetos na gaveta, uma dificuldade é fazer o contrato com uma editora.

Mas se por um lado o potencial da criatividade e do intelecto rende bons negócios, o outro lado dessa história mostra que é preciso insistência para conquistar mercado e mostrar que é possível viver fazendo arte.

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

FUNDAÇÃO DA PRIMEIRA PARÓQUIA DO BEATO JOÃO PAULO II NO BRASIL

Olá meus amiguinhos!
É com grande alegria que comunico à todos os meus leitores que no dia 22 de outubro, às 18:00 horas será celebrada pelo Arcebispo de Juiz de Fora - MG, a Missa de fundação da Primeira Paróquia do Beato João Paulo II no Brasil e é a Paróquia a qual pertenço.
Quem conhece o meu blog, já deve ter lido na lateral direita a Oração ao Beato João Paulo II que escrevi, tenho certeza, que por inspiração Divina. Através desta Oração, aprovada pelo Arcebispo de minha cidade no ano de 2008, recebi uma grande graça, que foi a cura do meu marido que esteve em coma por trinta dias, desenganado pelos médicos. Hoje ele está completamente curado e sem qualquer sequela. Deus é Maravilhoso!
A Missa será transmitida pela Canção Nova, ao vivo. Participem!
Abraços carinhosos!
Vera Ribeiro Guedes

quarta-feira, 30 de março de 2011

VAGA-LUME

Voa... Voa... Vaga-lume,

De bumbum iluminado;
Das rosas, sente o perfume,
Dos espinhos, toma cuidado!

Voa... Voa... Vaga-lume,
Ilumina a noite escura,
Como as estrelas que luzem,
No céu, ao redor da lua.

Vaga-lume eu queria,
Um dia poder te pegar,
Pro meu quarto te levaria,
Pra meus sonhos iluminar.

Vaga-lume pisca-pisca,
Como as árvores no Natal,
Toda a criança conquista,
Seu brilho é divinal!


terça-feira, 29 de março de 2011

RIACHINHO QUE CORRE, CORRE...

RIACHINHO QUE CORRE, CORRE...

SERÁ QUE CORRE DE ALGUÉM?
AO VER SUAS ÁGUAS BRILHANDO,
A LUA AS MARGENS DESENHANDO,
O ROSTO DO MEU BEM.

SERÁ QUE CORRE DE ALGUÉM?
DE UM AMOR QUE FOI EMBORA,
DA SAUDADE OU DO AGORA,
DA VERDADE OU DE NINGUÉM.

SERÁ QUE CORRE DE ALGUÉM?
DA AMADA QUE PARTIU,
DO AMOR QUE NÃO SURGIU,
DO CARINHO DO SEU BEM.

CORRE, CORRE, RIACHINHO!
DEIXA PARA TRÁS QUEM TE VIU.
AS ÁRVORES, O LUAR, O RANCHINHO,
NA QUEDA D'ÁGUA SUMIU.

quarta-feira, 23 de março de 2011

VAMOS SALVAR O PLANETA?

Era uma vez...
Não!
É hoje!!!

Nosso planeta pede socorro!

Os rios estão parando de correr.

As árvores choram, órfãs e estéreis;
estão doentes, enfraquecidas,
tossindo muito por causa da fumaça,

que invadiu a floresta,

em consequência das queimadas.

O barulho ensurdecedor das serras elétricas
assusta, afasta, enfraquece os animais.

O topo do planeta descongela;
os oceanos crescem;
a terra treme,
cidades são devastadas por ondas gigantes;
enchentes submergem casas, carros, pessoas.

É o caos!
E, não era uma vez...
Como nos contos de fadas.
É hoje!
É realidade.

Alerta, crianças!
Sinal vermelho...

 Mas, não se assustem,
ainda há tempo!
E, nessa luta, vocês são os super-heróis.

Reduzir... Reutilizar... Reciclar...
Conscientizar...
Eis a solução.

Vistam seus uniformes!

Não precisa de super-poderes.
É só acreditar!

segunda-feira, 21 de março de 2011

COELHINHO DA PÁSCOA


DONA COELHA E SEUS FILHOTES,
MORAVAM EM UMA TOCA,
NO MEIO DA FLORESTA.

PAPAI COELHO ERA TRABALHADOR
E, NA ÉPOCA DA PÁSCOA,
O TRABALHO MULTIPLICAVA,
A FÁBRICA DE OVOS FUNCIONAVA
A TODO VAPOR.

AS ENCOMENDAS COMEÇAVAM A CHEGAR,
DE TODA A FLORESTA, DE TODO LUGAR.
OVOS DE VÁRIAS CORES E TAMANHOS
TODOS PARA EMBALAR.

ATÉ QUE ALGUÉM PERGUNTOU:
SERÁ SEU COELHO UM IMPOSTOR?
COELHOS NÃO BOTAM OVOS...

FORAM ATÉ PADRE ZECA, CORRENDO,
PERGUNTAR: - O QUE ESTAVA ACONTECENDO?

PADRE ZECA, MUITO AMOROSO,
EXPLICOU PARA TODA GENTE:
- É UM JEITO MUITO GOSTOSO,
DE SE COMEMORAR A PÁSCOA...
- DISSE ELE SABIAMENTE.

PÁSCOA É VIDA!
OS OVOS TRAZEM A VIDA...
POR ISSO ELES SÃO “SÍMBOLOS”
DESTA DATA TÃO QUERIDA.

COELHOS TÊM MUITOS FILHOS,
APESAR DE NÃO POR OVOS...
PORTANTO, TAMBÉM SÃO “SÍMBOLOS”
DA FERTILIDADE DOS POVOS.

TODOS ESCUTAVAM COM ATENÇÃO;
Imagem:  jesuscristo.name

ATÉ QUE ALGUÉM EXCLAMOU!
- NÃO É QUE O COELHO É ESPERTO!
DEU O PASSO CERTO.

COM SUAS ORELHAS COMPRIDAS
TAMBÉM OUVIU PADRE ZECA,
E FICOU FELIZ POR SER “SÍMBOLO”,
DE UMA DATA TÃO QUERIDA;
POIS JESUS VENCEU A MORTE...
PARA NOS DAR NOVA VIDA.


domingo, 30 de janeiro de 2011

NÃO PISE NA BARATA!

- OLHA A CASCA DA BARATA!
GRITOU A CRIANÇADA,
QUE PULAVA AMARELINHA,
DESENHADA NA CALÇADA.

- PISA NA BARATA!
É UM BICHO XEXELENTO,
POIS, VEIO DO ESGOTO,
COMO É NOJENTO!

POBRE DONA BARATINHA,
SÓ QUERIA SE DISTRAIR.
VER PULAR AMARELINHA
E A CRIANÇADA SORRIR.

MAS ALGUÉM LHE SOCORREU
E A TEMPO GRITOU:
- NÃO PISE NA BARATA, COITADA!
ELA NÃO TE MACHUCOU.

A NATUREZA É PERFEITA,
CADA UM TEM O SEU LUGAR.
NÃO DEVEMOS INTERROMPER,
A CADEIA ALIMENTAR.

sábado, 22 de janeiro de 2011

DIA DO SOLDADO


HERÓI VALENTE E BRAVO,
MARCHANDO VAI O SOLDADO,
COM SUAS BOTINAS ENGRAXADAS,
E SUA FARDA ENGOMADA.

DEFENDENDO NOSSA PÁTRIA,
COM IMENSA BRAVURA,
LEVANDO NOSSA BANDEIRA,
ORGULHOSO VAI À LUTA.

HERÓI BRAVO E VALENTE,
DEIXA TODA A SUA GENTE,
VAI LUTAR EM OUTRAS TERRAS,
TEMEROSO VAI PARA A GUERRA.

TEM FAMÍLIA O SOLDADO,
FICAM TODOS PREOCUPADOS,
COM A GUERRA A ENFRENTAR.
SERÁ QUE ELE IRÁ VOLTAR?
TALVEZ FIQUE POR LÁ...

E, NINGUÉM TERÁ ENTENDIDO,
QUE O HERÓI QUE DEU A VIDA,
PELA PÁTRIA TÃO QUERIDA,
É UM SOLDADO DESCONHECIDO.

SEU DIA É COMEMORADO.
CAXIAS TAMBÉM FOI UM BRAVO,
QUE LUTOU UM DIA POR NÓS.

MAS SE O MUNDO FOSSE DIFERENTE,
E A PAZ SUPERASSE A GUERRA,
O BRAVO SOLDADO VALENTE,
QUE MOREU EM LONGAS BATALHAS,
ESTARIA EM SUA TERRA,
COM TODA A SUA GENTE,
CULTIVANDO ROSAS, NO LUGAR DE ARMAS.

VERA RIBEIRO GUEDES

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

ÍNDIA JACIARA, SEU POVO E SEU PRÍNCIPE (DIA DO ÍNDIO)


Jaciara era uma linda indiazinha, de cabelos negros como a noite, lisos, compridos, de lindas tranças enfeitadas com torçais coloridos. Seus olhos, também negros, brilhavam à luz do dia e faziam da indiazinha a mais bela filha da aldeia. Sua pele, além de queimada pelo sol, era avermelhada pelo urucum que tingia o corpo em dia de festa. Colares de contas, tangas de penas de aves coloridas completavam seu visual, tornando-a ainda mais bela.

Jaciara era feliz, corria pela mata, colhendo flores para enfeitar a oca, sua casa, feita de pau a pique e coberta de palha. Às vezes ajudava os outros índios na caça; outras, nadava no rio, ou navegava em canoas, pescando peixes frescos para o almoço, que era servido acompanhado de mandioca, batata-doce e outras raízes.

A mata tinha seus perigos, mas Jaciara estava acostumada. Sua Tribo não conhecia, ainda, a chamada civilização. Viviam livres e possuíam tesouros incalculáveis: a própria natureza.

Jaciara cresceu e sua beleza era cada vez maior. Encantava todo o povo da tribo, que nas noites de lua cheia, dançava ao redor da fogueira, agradecendo ao deus Tupã, pelo sol e pela chuva. O Pajé coordenava a festa e possuía uma grande quantidade de ervas que recolhia na mata, que serviam de remédio para curar todos os males da tribo: de mordida de mosquito à picada de cobra, pois não existiam médicos, nem hospitais, mas a natureza é sábia.

Um belo dia, em uma das trilhas que Jaciara costumava percorrer, surgiu um jovem, de pele muito alva, cabelos claros, olhos verdes como a mata. Seu nome era Pedro e havia se perdido do grupo de estudantes que, em excursão, caminhava pelas trilhas da floresta. Pedro havia ficado para trás, pois, encantou-se com o Mico-Leão-Dourado, que encontrou e voltou para vê-lo de perto.

Muito cansado, com fome, com frio e muito medo, Pedro chegou à Tribo, nunca antes visitada por outros povos.

Os índios se assustaram... Armaram-se, com seus arcos e flechas e, de tacape na mão, o Cacique, que era o chefe da Tribo, foi ao encontro do rapaz que tremia de medo.

Ao vê-lo tão fragilizado, o Cacique ordenou aos demais que se desarmassem. Não havia perigo e falou em sua linguagem Tupi-Guarani: “- Homem branco está com fome”.

De longe, Jaciara o observava. Não havia na Tribo índio mais bonito do que ele. Apaixonou-se à primeira vista e sonhou com seu grande amor.

Pedro também a viu e não pôde deixar de notar sua beleza – “Como ela é linda!” – pensava.

Foi um custo para conseguir se comunicar e contar aos índios, através de gestos, como se perdera na mata. Mas foi muito bem recebido pela Tribo e ficou por lá alguns dias, até se recuperar do susto.

Aprendeu a fazer cerâmica e artesanato, a caçar e a pescar. Pintou seu corpo em dia de festa. E o olhar de Jaciara sempre se encontrava com o dele.

Os dois jovens mal conseguiam trocar algumas palavras, mas já conheciam o sinal do coração e sabiam o final desta história: estariam eternamente apaixonados.

Porém a Tribo era muito distante da civilização e Pedro sabia que a realidade de sua amada era muito diferente da dele. Jaciara jamais se acostumaria em sua selva de pedras e ele, por sua vez, não poderia viver longe da cidade, de seus amigos, de sua família, que já deveriam estar muito preocupados com o seu desaparecimento.

E chegou o dia da partida. Jaciara deu um longo beijo em seu príncipe, que prometeu voltar. Agradeceu a todos a acolhida que tivera e os dias felizes que passara na Tribo e prometeu não contar a ninguém sobre o paraíso descoberto, para que a civilização não tentasse destruir a paz e a pureza daquele lugar. Os índios o acompanharam na trilha e ensinaram o caminho de volta, mas, em seu coração, uma tristeza se instalara: o sorriso de Jaciara não sairia jamais do seu pensamento.

De volta à cidade, desejou nunca ter entrado na mata e conhecido a paz e a tranqüilidade daquele povo simples, sábio e sincero.

Tentou voltar, mas não conseguiu. Não achava mais a trilha que o levou. Como num passe de mágica, a mata cobriu seu rastro e seu sonho de amor ficou para trás. Na Tribo, Jaciara chorava escondida.

Os anos se passaram... Cada um viveu sua história... Até que um dia, a civilização conheceu a Tribo, o desmatamento levou o homem branco até lá e destruíram a paz do povo de Jaciara. Trocaram seus costumes. Vestiram neles roupas feitas de tecido; conheceram, o rádio, a televisão, o computador... A violência... O egoísmo... A luta pela terra... A destruição da natureza... E as trilhas da mata, transformadas em estradas, trouxeram Pedro até Jaciara, que, apesar dos anos, continuava bela, com seus longos cabelos negros e seu sorriso inocente.

Não disseram nada um ao outro, apenas sorriram.

Pedro lutou bravamente, ao lado de sua amada, na defesa de seu povo, pela posse de suas terras. E, em uma dessas violentas e injustas batalhas, morreram de mãos dadas, e, neste lugar, nasceram duas lindas e desconhecidas flores, completamente diferentes uma da outra, mas com o mesmo perfume: O Perfume do Amor.

VERA RIBEIRO GUEDES
ILUSTRAÇÃO: MARCELO MANHÃES